Muito Sauber tem este Alfa Romeo

Muito Sauber tem este Alfa Romeo




Olhar tanto para o C38 e C39, para além da nomenclatura atribuída ao monolugar, constata-se que está presente muito ADN da Sauber.


Aquela equipa que sempre olhou para o talento dentro de portas e tentou tirar proveito do mesmo mantém, felizmente essa mentalidade. Por vezes deixa-nos a pensar o que conseguiriam alcançar se tivessem os recursos financeiros de uma das equipas mais ricas.


Facilmente vemos que há soluções neste Alfa Romeo que não se encontram em mais lado nenhum da grelha. Além disso são soluções que transitam de uma época para a outra, o que mostra que a equipa está contente com o seu desempenho.


De facto, este novo C39 recebe muito do anterior C38. A asa da frente continua um conjunto singular no pelotão. Um bico com três entradas de ar, agora com a central inferior alargada, o objectivo será limpar as perturbações de ar que possam ficar encurraladas por baixo da estrutura de impacto frontal, o que irá melhorar o escoamento de fluxos para os bardge boards.


Por sua vez, estes seguem a tendência das outras equipas, há mais complexidade, mais aletas, incorporação de boomerangs. Tudo para redirecionar fluxos para o fundo plano e ajudar na adesão aos pontões.


O fundo possui também essas mesmas aletas defletoras e na zona posterior um defletor que parece ter o intuito de redirecionar ar à volta da roda traseira.

As admissões de ar, tanto nos pontões como a superior sofrem alterações. As dos pontões têm uma nova geometria e a superior assemelha-se agora um pouco mais ao Ferrari, ainda que a Alfa Romeo mantenha a sua já característica múltipla admissão superior (ainda que passe de seis entradas para três). A equipa faz um empacotamento distinto das demais, e isso é evidente aqui, já que prefere refrigerar o carro de outra forma. Uma das amostras do ADN Sauber que lhes parece dar dividendos.





Visto de frente vemos melhor as diferenças nas admissões de ar. A dos pontões para além de uma geometria distinta é agora mais pequena. Promove, como já temos visto até aqui, que um maior volume de ar circule por baixo e ao redor dos pontões, o que eventualmente irá melhorar o rendimento do fundo plano e do difusor.


As aletas nas laterais, essas sim parecem praticamente inalteradas e até a pequena admissão de ar, que se encontra logo abaixo da principal, permanece, esta deverá ter como função controlar a temperatura dos componentes eletrónicos (à semelhança de outras equipas).


Os perfis horizontais da asa são também diferentes, sobretudo os interiores, o objetivo será melhorar o controlo na criação de vórtices que ajudam a direcionar os fluxos desde a asa dianteira até aos bardge boards. Os exterior apesar de aparentarem diferentes, parecem estar apenas em posições distintas nas imagens. A Alfa possui uma asa radical que lhes permitiu obter várias configurações dependendo da necessidade de carga aerodinâmica, sendo que privilegiam uma filosofia de asa inboard loaded, à semelhança dos monolugares que equipam com motor Ferrari.


As suspensões são alvo de melhorias. Na traseira alterações subtis que parecem conferir mais rigidez ao carro. Na dianteira o triângulo superior (top wishbone) está agora montando mais em cima, isto permite elevar também o inferior o que diminui a penalização aerodinâmica. o Sistema POU também está presente no Alfa.


Demarcamos também a conduta de refrigeração dos travões, pode não ser o caso do C39, mas algumas equipas têm apresentado (algumas até desde o ano passado), condutos sobredimensionados, o objectivo passar por canalizar ar não só pelos travões mas através da jante, isto ajuda a que exista menos perturbações ao redor da roda dianteira, o que torna o carro mais eficiente a nível aerodinâmico, à semelhança do que era feito com os blown axle (caso queiram pesquisar o conceito).





O ângulo de ataque mantém-se, as diferenças podem ser apenas pelo ângulo da imagem ou questão de setup.


Através da vista lateral o que podemos constatar é a cobertura de motor do C39, um design distinto de todos os outros monolugares. A Alfa Romeo emagreceu o seu monolugar, mas a suas admissões superior fazem com que tenham que adoptar este design sui generis. Os pontões também eles bem mais agressivos.


O objectivo já sabem...melhorar o rendimento do difusor que recebe ajuda dos fluxos aderidos à cobertura do motor e aos pontões.


Curioso ver o quão diferente são as admissões de ar superiores deste ponto de vista, e como a asa dianteira até na prancha limitadora possui características distintas dos rivais.





Para a Alfa Romeo, ou se nos permitem, para a Sauber 2020 é um ano difícil, o C39 é uma clara evolução do C38, sendo que este veio a perder fulgor durante o ano, e o mesmo se avizinha para o novo monolugar. 2021 tem que ser preparado e é preciso divergir fundos para esse projecto. A posição da equipa Suíça é difícil de prever, mas resultados na cauda do 2º pelotão não seriam de surpreender.

©2019 by Bandeira Amarela - Podcast. Proudly created with Wix.com

Imagem "sobre nós": https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pedro_Lamy_-_Imola_1996.jpg

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now