Equipas falhadas: #9 - BAR & Honda: Earth Nightmare

Equipas falhadas: #9 - BAR & Honda: Earth Nightmare



O Honda RA107 com a célebre decoração "Earth Dreams". A decoração é mesmo a única coisa memorável da equipa na temporada de 2007.

A segunda encarnação da Honda enquanto equipa de Fórmula 1 acabou por ter um final trágico (para o fabricante japonês) mas é uma história que deve ser contada em dois actos.

O primeiro acto começa já perto do final da Era do Tabaco com a compra da histórica Tyrrell pela British American Tobacco. A BAT, juntamente com o empresário e amigo de Jacques Villeneuve, Craig Pollock e com Adrian Reynard, investiu, fez uma nova fábrica e transformou a Tyrrell na BAR – British American Racing (que algumas fontes ainda hoje referem como sendo “Bandeira Amarela Racing”, o que é errado, podemos desde já garantir).



Na apresentação da equipa a BAR achou boa ideia colocar uma decoração diferente em cada carro. A FIA não concordou.

Com o chassis construído pela Reynard, dinheiro infinito do tabaco, o campeão do mundo de 1997 nas suas fileiras e motores de fábrica Honda a partir da segunda época, a BAR estreou-se em 1999 com um objectivo ambicioso – ganhar uma corrida logo na época de estreia. Não correu bem assim e a equipa acabou por fazer uns estrondosos… zero pontos no ano de estreia e o último lugar no Mundial de Construtores. Diz-se que apesar de dispor de uma verba capaz de manter a Minardi por várias temporadas que a BAR, na sua temporada inicial, já teria rebentado com esse valor a meio da temporada…Curiosa também a polémica do início da temporada com a BAR a apresentar uma decoração totalmente diferente em cada carro - um deles com as cores da 555 e outro da Lucky Strike, duas das marcas pertencentes ao universo BAT. A FIA não permitiu que uma equipa alinhasse com dois carros diferentes e a solução encontrada foi dividir o carro a meio para cada decoração separadas pelo célebre fecho eclair.



A infame decoração do fecho éclair. Se não se pode correr com duas decorações em dois carros, corre-se com duas decorações num carro. Certo?

As coisas foram melhorando com a entrada da Honda e na segunda temporada a BAR termina a época no quinto lugar. Pouco, ainda assim, para quem aspirava a ganhar corridas logo no ano de estreia. A verdade, é que no período BAR, entre 1999 e 2005, a equipa não conseguiria ganhar uma única corrida apesar de, recorde-se, pertencer a uma das maiores tabaqueiras mundiais (leia-se, dinheiro ilimitado), ter o apoio de um construtor histórico de motores como a Honda, ter um ex-campeão do mundo durante a maior parte da sua existência (ao qual se viria a juntar mais tarde um futuro campeão, Jenson Button) e ainda um experiente fabricante de chassis como era a Reynerad.

A equipa apenas esteve próxima do sucesso em 2004, onde conseguiu ser segundo classificada no mundial, atrás apenas da Ferrari e com presença no pódio em 11 das 18 corridas, quase sempre por Jenson Button.



O BAR 006 foi o mais bem sucedido da equipa e tornou-se presença regular no pódio. Infelizmente, não foi suficiente para conseguir a tão desejada primeira vitória. Com o 006, a BAR foi segunda classificada no Mundial de Construtores.

Com o aproximar de uma proibição definitiva à publicidade ao tabaco, a BAT nunca conseguiu cumprir a sua “missão ganhar já” e aos poucos foi vendendo a equipa à Honda que acabou por assumir o controlo e dar o nome à equipa – era agora Honda Racing F1 Team. A BAR saía de cena com a “honra” de se ter tornado no oitavo construtor a disputar mais corridas sem conseguir alcançar uma única vitória.

É aqui que entramos no segundo acto desta história. Em 2006 a Honda continua o trabalho da BAR. Mantendo o patrocínio da BAT, as mudanças na equipa foram praticamente imperceptíveis. A mais significativa foi a saída de Takuma Sato para dar lugar a Rubens Barrichello. A dupla Button/Barrichello manteve-se durante os três anos que duraria a aventura Honda F1 Team.

Depois do retrocesso em 2005 com a BAR a terminar em sexto no Mundial e com três desqualificações durante a época e a equipa banida durante dois grandes prémios, a “nova” Honda conseguiu melhorar e obter um quarto lugar entre os construtores e, sobretudo, conseguiu aquela que seria a primeira e única vitória desde o arranque do projecto BAR/Honda.



Já sob o controlo da Honda e com Jenson Button ao volante, a equipa viria finalmente a conseguir a sua primeira vitória com o RA106 em 2006. Seria também a última. 2007 e 2008 seriam anos para esquecer.

Em 2007 e 2008, com a saída da BAT, a Honda passou a correr com a célebre (não necessariamente pelas melhores razões…) decoração do “Earth Dream” e sem ostentar qualquer publicidade nos seus carros enquanto, algo inédito desde os anos 60. Em paralelo, a equipa afundava-se na tabela classificativa com um oitavo e um nono lugar à geral no fim de 2007 e 2008. A época de 2007 foi má ao ponto de até à penúltima corrida da época a Honda estar atrás da Super Aguri, a equipa satélite que apoiou para dar um lugar a Takuma Sato.



A segunda iteração da decoração "Earth Dreams" no Honda RA108. Seria o último carro da Honda enquanto construtor de Fórmula 1 até à data.

No final de 2008, com o rebentar da crise mundial, a Honda decide abandonar a Fórmula 1 e terminar o investimento de 300 milhões de dólares anual. Após 10 temporadas nas mãos da BAT e depois da Honda, uma equipa que teve fundos ilimitados, apoio de fábrica e campeões do Mundo ao volante abandona com uma magra vitória, três desqualificações e duas corridas de suspensão no seu currículo.

No entanto, a história não terminou. O culminar do falhanço desde projecto surgiria no epílogo.


No início daquela que viria a ser a sua última época, a Honda foi buscar Ross Brawn para Director Técnico. Com o falhanço do prejecto de 2008, Brawn e a sua equipa começam já a trabalhar no carro de 2009 a meio da época. Com o abandono da Honda, Brawn fica com um projecto terminado nas mãos… mas sem equipa. Ross Bawn e Nick Fry lideraram um “management buy-out” que lhes permitiu continuar com a equipa. Colocaram um motor Mercedes no chassis desenhado para receber motores Honda e… foram campeões do Mundo. Pilotos e equipas. Depois de centenas de milhões de euros investidos, a Honda entregou de mão-beijada um carro campeão do Mundo do qual retirou absolutamente nenhum proveito, culminando assim de forma estrondosa este tremendo falhanço.



O Honda RA109 acabaria por ver a luz do dia como... Brawn BGP001. Na traseira, um motor Mercedes. Foi Campeão do Mundo.

TL;DR: dinheiro infinito de uma das maiores tabaqueiras, projectistas experientes, um campeão do Mundo, apoio de um construtor habituado a ganhar (Honda), zero vitórias. Honda continua com o projecto após saída da BAT apenas para ganhar uma corrida antes de se afundar na grelha. Criou um carro campeão do Mundo, abandonou o Mundial e entregou-o quase de borla para outros colherem o sucesso

.

©2019 by Bandeira Amarela - Podcast. Proudly created with Wix.com

Imagem "sobre nós": https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pedro_Lamy_-_Imola_1996.jpg

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now