Equipas falhadas - #10 EuroBrun Racing: o que importa é participar

Equipas falhadas - #10 EuroBrun Racing: o que importa é participar

Atualizado: 14 de Set de 2019

Gregor Foitek conduz o ER189. Em 1989 a EuroBrun apenas alinhou com um carro. Não o conseguiu qualificar para nenhuma corrida.

Ao longo dos seus quase setenta anos de história, dezenas de equipas participaram no Mundial de Fórmula 1. Poucos conseguiram chegar às vitórias, menos ainda conseguiram o sucesso máximo – os títulos de Campeões do Mundo. Por cada projecto bem-sucedido, muitos outros ficaram pelo caminho. Alguns conseguiram sobreviver anos, sem conseguir resultados de relevo mas foram projectos sérios e que muitas vezes sobreviviam a custo. Outros foram autênticos desastres.

Durante as próximas semanas iremos partilhar numa série de artigos alguns desses falhanços. Abordaremos uma série de equipas que falharam estrondosamente os seus objectivos na Fórmula 1. Algumas eram gigantes construtores automóveis que entraram para ser campeões e saíram pela porta pequena sem alcançar o sucesso. Outras eram equipas mal preparadas, mal fundadas e condenadas ao fracasso à nascença. Há histórias para todos os gostos na Fórmula 1, é um assunto quase inesgotável. Aqui escolhemos algumas das nossas favoritas e juntamos aqueles que acreditamos serem os maiores falhanços da modalidade. Pelos menos são os nossos favoritos e para os classificar usamos um método utilizado de elevado rigor científico: a nossa opinião. Começamos hoje esta maratona com a quase esquecida EuroBrun. É um pequeno aperitivo para o que aí vem. Esperemos que gostem e quem não quiser ter trabalho a ler tudo tem um pequeno resumo no fim. Quem é amigo?

Stefano Modena conseguiu uma primeira temporada bastante aceitável aos comandos do ER188. Foi presença regular na grelha de 1988 mas sempre longe dos pontos.

10 – EuroBrun Racing: a EuroBrun poderia ser apenas mais um dos muitos projectos falhados do final da década de 80, altura em que a Fórmula 1 era fértil em novas e pequenas equipas, mas destaca-se das demais por um registo singular. Apesar de ter participado em três épocas completas (1988 a 1990). Não era fácil sobreviver no meio do pelotão de 18 equipas que alinharam na época de 88 mas a EuroBrun, nascida da união das pequenas EuroRacing e Brun Motorsport (do magnata do jogo Walter Brun, o ramo do dinheiro da equipa) conseguiu presenças regulares na grelha desse ano.

Cláudio Langes falhou a pré-qualificação em todas as corridas de 1989 até a equipa abandonar o Mundial.

Em 1989, contudo, as coisas foram diferentes (e não foi para melhor) e a EuroBrun conseguiu não se qualificar uma única vez ao longo de toda a temporada (Stroll ficaria orgulhoso), feito que lhes garantiu a entrada nesta lista. Aliás, apenas no Brasil, na abertura da época, conseguiram passar da pré-qualificação. O envolvimento da Euroracing era cada vez menor e foi a única equipa a alinhar com apenas um carro nesta época.

No ano seguinte, e apesar do fracasso de 89, voltaram para tentar fazer melhor. A equipa viria a conseguiu a sua última participação em corrida já com Roberto Moreno (que se irá tornar um nome habitual enquanto vamos falando desta série de equipas falhadas) a obter um tremendo 13º lugar na corrida de abertura em Phoenix, Estados Unidos. Moreno voltaria a qualificar-se em Imola mas foram as duas únicas presenças em corrida para a EuroBrun nas catorze corridas que a equipa disputou até abandonar o Mundial. Em 1990 a equipa italiana tinha voltado a correr com dois carros, tal como havia feito no ano de estreia, mas a os resultados não melhoraram por causa disso. Moreno ainda fez estas duas aparições em corrida mas o carro #34 de Claudio Langes fez um pleno de não pré-qualificações.

Com a escassez de resultados ao longo de três, sem sinais de melhoria e já com a Euroracing completamente desligada do projecto, Walter Brum foi também perdendo o entusiasmo e reduzindo o financiamento e a equipa não regressaria para completar o Mundial após o GP de Espanha.

No final, o saldo foi de 3 anos, 76 entradas em Grandes Prémios, 21 entradas na grelha de partida, 42 não pré-qualificações. Há que enaltecer a persistência.

TL; DR: 3 anos de participações que atingiram o topo ao falhar para se pré-qualificar durante toda a tempora de ’89. Arrastou-se durante mais um ano até desaparecer antes do final da época de '90.

©2019 by Bandeira Amarela - Podcast. Proudly created with Wix.com

Imagem "sobre nós": https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pedro_Lamy_-_Imola_1996.jpg

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now