AT01 uma evolução da STR com toques RBR

AT01 uma evolução da STR com toques RBR



O AT01 é o primeiro carro da recém rebatizada Toro Rosso, a equipa sofre uma alteração no seu look passando a promover a linha de roupa da marca Austríaca em vez das suas bebidas energéticas.


Uma evolução


O monolugar é uma melhoria do seu predecessor, o STR14. Segue a mesma filosofia aerodinâmica mas com detalhes muito interessantes que fazem lembrar o RB15 e curiosamente o Mercedes W11 (sim o Mercedes para a temporada de 2020).


O nariz é praticamente o mesmo, mas na asa da frente mudam os perfis horizontais assim como os defletores laterais. Nestas extremidades exteriores podemos ver que a Alpha Tauri possui um sistema similar ao W11, ligeira curvatura, um ponto de criação de vórtice na face interior e um ligeiro declive nos pontos de contacto entre os perfis e os defletores. Para além das semelhanças com o Mercedes é também parecido com o RB15. Significa que a equipa Alemã decidiu espreitar o que se passava em Milton Keynes?


Mais para trás a zona dos bardge boards é de facto muito parecida entre o RedBull e o novo Tauri, já o STR14 era bastante mais simples. Aletas, defletoras e boomerangs em posições semelhantes e em número semelhante.


O objectivo será optimizar os fluxos nos pontões, aqui os 3 são parecidos. O que é normal e não necessariamente uma cópia do RedBull, até porque o primeiro carro da família a equipar motores Honda foi o Toro Rosso, e como tal esta solução poderá ter migrado para a casa mãe.


Coberturas de motor também elas muito semelhantes e algumas alterações nas aletas laterais. O AT01 cria um invólucro para ajudar na adesão dos fluxos à lateral dos pontões enquanto que os outros dois não o fazem. Significa isto que há alguma prioridade em melhorar o escoamento no difusor em vez de canalizar ar através de vórtices ao redor das rodas traseiras.





Vendo os carros em perspectiva, continuam as semelhanças. O RedBull mostra um pouco mais de detalhe e complexidade, mas as abordagens são as mesmas.


As principais diferenças entre o STR14 e o AT01 deste ângulo estão nos espelhos, o monolugar mais recente segue a tendência (para além de querer lançá-las, viram o que fizemos aqui?) de aproveitar os apoios de forma a que sejam dispositivos aerodinâmicos. Sendo que servem de ajuda para guiar os fluxos por cima da admissão de ar.


Vemos também que há um emagrecimento na cobertura de motor, sempre que possível as equipas iram fazê-lo, novamente, esta alteração ajuda no trabalho feito pelo difusor do monolugar.





Pela lateral vemos que os pontões apesar de parecidos estão agora mais pequenos no AT01. A admissão de ar lateral é também ela mais pequena.


No caso dos pontões isto ajuda a que mais ar circule por baixo da entrada de admissão, isto irá criar carga aerodinâmica e alimentar o fundo plano.


O ângulo de ataque parece ligeiramente incrementado, mas pode ser uma questão de setup ou até da orientação da imagem.





É uma questão de marketing a Alpha Tauri fazer boa figura. A equipa constrói sobre uma base sólida e que até deu um 2º lugar no GP do Brasil.


Melhora pontos débeis do seu monolugar, sobretudo no que toca à eficácia dos bardge boards. Aproveita que pode colher mais sinergias da RedBull neste que é o segundo ano em que partilham motores Honda e como tal melhora no empacotamento da unidade motriz.


Com as melhorias esperadas no motor Honda espera-se que a Alpha Tauri tenha a capacidade de entrar na luta eventualmente pelo 5º lugar.

©2019 by Bandeira Amarela - Podcast. Proudly created with Wix.com

Imagem "sobre nós": https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pedro_Lamy_-_Imola_1996.jpg

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now